POLÍCIA FEDERAL
ORGULHO NACIONAL


Berzoini vai apertar o cerco a fraudadores da Previdência

01/01/2003

Berzoini vai apertar o cerco a fraudadores da Previdência A Dataprev (Empresa de Processamento de Dados da Previdência Social) passará por um processo de modernização. O ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, disse ontem em São Paulo que os investimentos em tecnologia na Dataprev são necessários, pois a empresa terá, entre outras tarefas, a missão de aumentar a fiscalização contra as empresas fraudadoras do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social).


Segundo Berzoini, a Dataprev está com uma estrutura desatualizada e incompatível com as metas que terá de cumprir este ano. O ministro quer aproveitar a estrutura da Dataprev para fazer um mapeamento de todos os contribuintes do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). Por meio desse mapeamento, a Previdência quer identificar os fraudadores e elevar a arrecadação do INSS.



Os recursos para modernização da Dataprev não deverão sair do orçamento da Previdência. Uma das idéias de Berzoini é solicitar empréstimos aos fundos sociais, como o FAT (Fundo de Amparo ao Trabalhador) para investir na modernização da Dataprev.



O primeiro passo para modernizar a Dataprev já foi dado. O Ministério da Previdência publicou no Diário Oficial da União de ontem o resultado do pregão para compra de 300 microcomputadores para a Dataprev. A empresa vencedora foi a FBL Equipamentos, que fornecerá os equipamentos para a Dataprev pelo valor de R$ 792 mil.



Na agenda das ações de combate à fraude e sonegação da Previdência está a reestruturação das áreas de Assuntos Estratégicos e Fiscalização. As duas áreas trabalharão em conjunto na identificação e autuação dos sonegadores e fraudadores da Previdência.



Outra ferramenta que será utilizada no combate à fraude é a força-tarefa _formada pelo Ministério da Previdência, Ministério Público e Polícia Federal_, criada em abril de 2000 para investigar e fiscalizar as denúncias de irregularidades no Estado do Rio. O ministro pretende estender a atuação da força-tarefa para todo o território nacional, começando pelas áreas mais críticas.



Para reforçar a fiscalização, o INSS nomeou este mês 506 auditores fiscais que passaram em concurso realizado em outubro de 2002. O INSS também deve realizar no primeiro semestre deste ano um novo concurso para selecionar mais 800 auditores fiscais. O INSS conta hoje com 3,9 mil fiscais no país.



As entidades filantrópicas e clubes de futebol serão os primeiros a entrar na mira da fiscalização do INSS. Os dois setores são beneficiados pelas renúncias previdenciárias.

(Agência Folha)



Copyright © 1995, 2003, Agência JB

O SINPEF/MS defende os direitos dos policiais federais